18 abr 2014

Mais esperança do que fé

Post por VeronicaCobas às 09:12 em Crônicas, Verônica Cobas

Vim de uma família repleta de tradições católicas, mas sem qualquer compromisso com a liturgia da fé. Isso não quer dizer que por lá não havia fé, talvez houvesse mais esperança que fé, o que – de certa forma – acabou por forjar o que nos tornamos: pessoas, mas especialmente mulheres, com uma obstinação pela esperança, pelo novo dia, pela ideia de que não desistir e desejar sempre será o único caminho, pela renovação cotidiana, se não da forma, pelo menos do conteúdo; se não do conteúdo, pelo menos da forma.

Professávamos por lá o costume de não consumir carne vermelha na Semana Santa. Passávamos de Quinta-Feira Santa – nos tempos idos, as quintas também eram santas – ao Domingo de Páscoa comendo peixe e camarão. E a coisa era bem desenhada: na quinta, chuchu com camarão; na sexta, peixe ao molho escabeche; no sábado, arroz de camarão; e no domingo, bacalhau ensopado.… Leia Mais…

16 abr 2014

As Crepiocas – Receitinha Light

Post por Priscila às 01:00 em Culinária, dieta, Priscila Resende

Talvez vocês já tenham visto na mídia ou ouvido por aí que a tapioca está com tudo e não está prosa. Virou modinha entre os adeptos da dieta e está conquistando mais fãs a cada dia. Tem uma reportagem interessante sobre a tapioca aqui. Mas basicamente, os nutricionistas vêem na tapioca uma vantagem em relação ao pão, já que é um alimento único, sem glúten, sem gordura, enquanto o pão tem glúten e varias gorduras indesejáveis. Claro que para ser um alimento amigo da dieta o preparo nao pode ter manteiga, azeite ou óleo, o que é possível com uma boa frigideira de teflon.

Os amantes da tapioca tradicional, com manteiga, queijos e etc, dizem que a tapioca “light” não tem muita graça. Eu nunca experimentei esse preparo, não sei bem comparar, mas testei aqui em casa uma pura, recheada de ovo mexido (sem óleo, claro). E não achei muito bom, não… Achei meio sem gosto.… Leia Mais…

15 abr 2014

Brigadeiro de Abacaxi

Post por Priscila às 01:00 em Culinária, Festas, Priscila Resende

Minha mãe costumava fazer bombons. Posso fechar os olhos e lembrar dela no fogão, banhando os bombons no chocolate em banho Maria, e aquele cheiro delicioso pela casa. Os preferidos eram de uva, nozes e abacaxi.

Aí eu pedi pra minha mãe a receita do doce de abacaxi, porque eu queria tentar fazer um brigadeiro de abacaxi, usando a receita do doce, que era maravilhosa. Vocês acreditam que a minha mãe, há uns dois anos, jogou TODOS os cadernos de receita dela e da minha avó fora?!?! Minha avó fazia doces modelados e desenhava detalhadamente os docinhos de palhaço e bichinhos que ela fazia nos livros, sempre com uma criatividade incrível. Ela morreu muito cedo, mas os livros ficaram com a minha mãe por muitos anos. Um verdadeiro tesouro…

Me resta ficar com as lembranças e tentar me inspirar na minha memória para reproduzir algumas coisas que ela fazia…

Foi assim com esse doce.… Leia Mais…

14 abr 2014

Lembrancinhas de Páscoa: Alfajores de Oreos

Post por Priscila às 01:00 em Culinária, Festas, Priscila Resende

Vocês já experimentaram o biscoito Oreo? O biscoitinho recheado mais amado do mundo (não, isso não é um publieditorial) acaba de chegar ao Brasil. Eu já tinha visto nas prateleiras lá fora, mas nunca tinha provado. Aí resolvi comprar quando começaram a vender aqui. E eu, que não sou super fã de biscoito recheado, me rendi. É bom demais!

Agora, imagina um Oreo coberto de chocolate?!? Sim, existe. Mas ainda não vende aqui. Então, vamos fazer!! Tá, não é igualzinho. O verdadeiro tem duas camadas de recheio e três de biscoito. O que eu fiz ficou mais simples. Mas junta Oreo com chocolate. Não tem como ficar ruim, né?

Então resolvi adiantar o post de quarta pra que ninguém diga que ainda não pensou em uma lembrancinha personalizada para essa Páscoa. Rafa já deu a versão dela aqui e eu já dei outra ideia aqui, na semana passada.

Então, mãos à obra.… Leia Mais…

11 abr 2014

Eu sinto ciúmes!

Post por VeronicaCobas às 07:55 em Crônicas, Verônica Cobas

Hoje acordei com vontade de falar de ciúme…

Não existe experiência de amor sem algum tipo de ciúme. Porque toda a experiência de amor, em algum momento, vai expressar sentimento de posse. Não necessariamente da posse que impede o livre trânsito e arbítrio do outro, mas do poder sobre aquele ponte que a mágica da atração, da sintonia, da afinidade entre as pessoas fez construir. Se amamos alguém, alguém é objeto do nosso amor. Não há raciocínio, equilíbrio, coerência ou retidão que nos impeça de sentir assim ou de nos fazer compreender, em algum momento, que alguém é apenas objeto e não sujeito do nosso amor. O bom é que – em condições normais de temperatura e sanidade – a intensidade do ciúme vai perdendo o fogo, vai ganhando novos contornos, vai virando até motivo de discussões saudáveis e risos fartos. Não! Não me envergonho de ter ciúme…de marido, de filhos, de amigos, de cargos, de bens da casa, de afinidades, de afetos.… Leia Mais…