Crônicas

17 out 2014

Os mais lindos olhos azuis

Post por VeronicaCobas às 07:55 em Crônicas, Verônica Cobas

Lá, em algum lugar, em um plano que nossos olhos mortais não conseguem ver, talvez pressentir, quem sabe desejar, estão hoje os mais lindos olhos azuis.  Aqueles mesmos olhos que há muitos anos olharam para mim daquele ângulo que somente as mães são capazes de criar e experimentar, na distância exata entre o olhar do peito que amamenta e o da boca que sorve o leite bom de um amor único. Essa troca de olhares é parte muito importante dessa história e se dela eu já nem lembro, sei que dela ficou a certeza de que ali também tecemos a colcha quente e macia que me aconchegou em toda a vida e que hoje, diante da ausência física, construo com minhas doces lembranças.

Lá, em algum jardim fértil de flores e sorrisos, em alguma mesa de toalha bordada e sob a fumaça cheirosa de um café bem quente, estão os mais lindos olhos azuis.… Leia Mais...

10 out 2014

Sonhar é tantas vezes só sonhar!

Post por VeronicaCobas às 07:30 em Crônicas, Verônica Cobas

De volta ao blog! Andei me ausentando dessas sextas-feiras de papo no sofá por conta de uma série de viagens de trabalho. Foram 45 dias viajando e voltando e cruzando seis cidades de quatro regiões do país. Alguma coisa assim como uns 15 mil quilômetros percorridos por lugares tão diferentes, mas que nos oferecem a oportunidade de conhecer pessoas e de vi(ver) de perto a maneira como elas vivem a vida ou como a vida as permitem viver os sonhos.  Porque viver a vida é meio que viver os sonhos, algo assim como a mistura desequilibrada entre aquilo que temos e aquilo que miramos ter, mesmo que o caminho entre um ponto e outro não revele ações reais na direção do objetivo. Sonhar não é necessariamente desejar; tantas vezes é só sonhar.

Engraçado como a cidade do Rio de Janeiro encanta, seduz, entorpece, mas nem todo mundo – nem mesmo quem vive em Açailândia, ao sul do Maranhão – quer levar o sonho à concretude e vir cá viver.… Leia Mais...

26 set 2014

Hoje é o dia de experimentar a liberdade

Post por VeronicaCobas às 07:15 em Crônicas, Verônica Cobas

A desobrigação é a palavra de ordem para o dia de hoje. Digamos não àquilo que não queremos fazer, participar, compartilhar. Tenhamos todos e todas o direito soberano a contradizer a ordem estabelecida das regras limitantes, castradoras e impositivas e simplesmente dirigir-se à porta que leva para o lado de fora…ou de dentro. Que seja escolha consciente ou inconsciente, mas que expresse o domínio sobre nossos próprios direitos de escolha ou de omissão. Hoje é o dia do uso livre de qualquer palavra que não agrida ninguém, mas que – destacadamente – não nos agrida também.

Porque nem tudo que é bom, que paga bem, que a família gosta, que as crianças amam, que os amigos convidam, que o namorado/a pede, que leva à ascensão, pessoal, profissional, filosófica ou espiritual, a gente quer fazer. Tem dias que não é o sorriso farto e generoso que alimenta a alma. É só o silêncio auto-consentido, é o desejo de romper com o que desagrada, ou é a vontade de não romper, até porque é bom tantas vezes, mas é a liberdade para dizer: hoje, não!… Leia Mais...

19 set 2014

Um pote até aqui…sem mágoa!

Post por VeronicaCobas às 07:08 em Crônicas, Verônica Cobas

Faz uns dias uma amiga capricorniana assim como eu perguntou se eu era rancorosa. Vai daqui um parênteses: não tenho conhecimento algum sobre astrologia, não posso admitir uma credulidade absoluta em relação à análise das pessoas por conta de seus signos, mas aceito, admito e realizo que pessoas, embora completamente diferentes, naveguem em algumas áreas comuns no terreno do sentimento e do comportamento. Sim, acho que o rancor é uma característica meio que comum aos capricornianos. Mas disse a ela e aqui repito que a vida, os anos, os tombos e os joelhos ralados, vão nos permitindo crescer para reduzir a doses homeopáticas o rancor que pinga em nós. Confesso que ainda tenho episódios de bronca individual que demoram algumas horas para serem diluídas no tonel dos bons acontecimentos. Bom..essa é a minha técnica. Jogo no balde das coisas que me deixam felizes e o rancor se afoga.

Pensando bem, acho que muita gente de outros signos também carregue sentimentos parecidos, talvez com outros nomes.… Leia Mais...

05 set 2014

Sem medo e desejo de saber do futuro

Post por VeronicaCobas às 08:19 em Crônicas, Verônica Cobas

Eu já não tenho mais medo de saber do futuro porque, enfim, entendi que não há futuro que não seja aquele que estamos construindo agora. E ao perder o medo, esqueci em algum lugar e nunca mais achei e nem procurei o desejo de saber do futuro. Respeito a imponderabilidade dos fatos, das pessoas que cruzam a minha frente com suas histórias e desejos, dos acontecimentos fortuitos, mas tudo isso é apenas parte e não a razão do futuro que me espera, que nos espera.

Não quero desempregar ou tornar desimportantes os videntes, cartomantes, magos, leitores das estrelas ou da borra de café, mas é que para mim já não dá, já não serve. Se antes eu tinha medo de experimentar – embora já o tenha experimentado uma vez e reafirmado o medo imenso que sempre senti da experiência – hoje eu não tenho vontade, eu não tenho sequer curiosidade.

Claro que nada como o tempo e a construção da maturidade para que a serenidade se impõa sobre as certezas, tirando destas o poder de dirigir os passos de nossas vidas.… Leia Mais...