Verônica Cobas

06 abr 2017

Sobre filhos, netos e afetos

Post por VeronicaCobas às 11:55 em Crônicas, Verônica Cobas

Não sei a mãe que fui, acho que sei algumas coisas da mãe que sou, mas ainda busco muito ser a mãe que não sei se serei. Essa curva de aprendizado materno é dura, viu? É que nem assim como a vida de todo mundo, cheia de grandes escorregadas, quedas abissais, algumas ondas surfadas e uma ou outra vitória no bingo. Só que com um poderoso ingrediente a mais: o medo, que tantas vezes parece culpa, talvez vaidade, muita proteção, algum desleixo, quem sabe cansaço, susto, autossuficiência e autopiedade. Um emaranhado de nós que me fizeram dizer sim quando eu também queria dizer não, ou dizer não quando o sim era claramente a melhor opção. Nunca fui boa de múltiplas escolhas.

Custei muito a me dar conta de que era melhor nas discursivas, na conversa para além do comando, naquele vento que bate durante um papo qualquer e que traz a luz que desvenda os mais inexpugnáveis teoremas.… Leia Mais...

10 fev 2017

Nós sempre queremos um amor assim

Post por VeronicaCobas às 10:41 em Crônicas, Verônica Cobas

Estou envolta pelo tema do amor, penso nisso todo o tempo, quero novidades, encontro referências, pesquiso poesias, descubro canções. Se isso também é estar apaixonada, rendo-me imediatamente.  Porque estar em estado de paixão é delicioso, seja qual for a motivação, razão ou inspiração.

Continuo casada com o mesmo marido, por quem assim de repente, no pequeno gesto, no sorriso suave, no café da manhã ou dormindo na madrugada, me apaixono. Mas essa que hoje me toma é aquela que vejo na minha frente, do qual sou só espectadora. Aceitei o desafio de, junto com Carlos, ser celebrante de um casamento. Não só de um casamento definido como o compromisso formal e oficial de duas pessoas na direção de um contrato que as une e através da qual se criam os vínculos sócio-jurídico-econômicos. Mas, sim um casamento signo da escolha de duas pessoas que se amam pela ideia, idílica e real, de seguir juntos na mesma caminhada.… Leia Mais...

24 jan 2017

Ah…as festas de casamento!

Post por VeronicaCobas às 11:32 em Crônicas, Verônica Cobas

Dos eventos para as quais sempre tenho uma imensa disponibilidade para ir, as festas de casamento estão no top ten. Salvo raríssimas exceções – que acontecem, é verdade – são acontecimentos repletos de desejos bons, sonhos, amor expresso, olhos brilhando. Mesmo para os casais que já vivem juntos faz tempo, casar é a festa do “sim”, do “a gente acredita”, do “vamos juntar todo mundo para festejar o bom que é estarmos juntos”. Mas é, principalmente, a festa dos que decidiram enfrentar o medo.

Osho diz que o amor é uma flor rara, que às vezes acontece e que é raro porque só pode acontecer quando não existe medo, nunca antes disso. E por isso acontece o amor, porque quando você não tem medo, o medo da outra pessoa também desaparece. Mas o que isso tem a ver com casamento? Sei lá, a não ser a ideia idílica – parte da minha personalidade idealista e Pollyana – de que não há razão para casar, e muito menos para festejar, se não um imenso amor que é capaz até mesmo de vencer o medo que nos acompanha por toda a vida.… Leia Mais...

08 jul 2016

Melhor curtir e desfrutar

Post por VeronicaCobas às 08:14 em Crônicas, Verônica Cobas

O Criative-se acabou? Essa é uma pergunta que ouvimos muito por aqui. E a resposta é sempre óbvia: claro que não! No entanto, faz tempo que não acendemos esse fogão, que não mexemos na massa de bolo, não sacudimos a poeira dos guardados, não abrimos as janelas da casa. E por que? Talvez porque, tal qual no movimento das marés, a influência da lua é crucial. E ela muda, se transforma, se esconde e revela. Mas está sempre ali. Nós estamos aqui, seguimos nossas vidas, mas como o movimento das marés, a cada novo dia sob influência das luas hipotéticas que a vida e seu seguimento, suas conquistas e dores, suas transformações e aprendizados nos trazem.

Não somos mais as mesmas pessoas que lá para os idos de dezembro de 2008 se reuniram para imaginar o Criative-se. Mas há em nós – e aí só posso falar mesmo das duas Criativas que permanecem por aqui, ainda que mambembando eventualmente: eu e Lucia – uma boa dose dos sonhos e emoções que trazíamos para o nascimento do blog.… Leia Mais...

27 maio 2016

A dependência do afeto

Post por VeronicaCobas às 13:01 em Crônicas, Verônica Cobas

Das dicotomias humanas, a mais crucial é a eterna impermanência entre sermos assim do jeito que somos – absolutamente individualistas – e dependermos tão visceralmente do afeto dos outros. Saímos do ninho quente e amniótico do ventre da mãe e esta será sempre a melhor e mais forte expressão daquilo que buscamos como conforto, por mais que vivamos em um mundo tantas vezes só nosso, por mais que busquemos alguém ou muitos alguém que existam apenas para ver-nos com os olhos que nos mesmos nos vemos, assim do jeito protetor, vitimizado, forte, poderoso, frágil, equilibrado e insano com o qual nos olhamos e sobre o qual, por mais que eventualmente nos culpemos, permanentemente nos perdoamos.

Crescemos, amadurecemos, mas não conseguimos aprender a ver o mundo sem os antolhos desse universo paralelo que criamos no nosso entorno e no qual somos os imperadores, soberanos de um reino não necessariamente despótico, mas onde as decisões, as escolhas, os prazeres, os saberes e as vontade são só nossos.… Leia Mais...